RISC, Práticas em negócios

Processos produtivos, disponíveis e organizados!
Pra que serve isso?

2016-08-01 13:06:34


Que noite linda! Que mar, que luar refletido, que delícia! Vamos jantar? Enquanto isso, no restaurante, se ouve o maitre coordenando sua equipe: “Manda 350 espaguetes à carbonara! Manda 270 magrets de pato grelhados! Manda 430 peras cozidas com ganache de chocolate!”
Uau, que pedido grande mesmo!

Mas, na verdade, não é tão grande assim se levarmos em consideração que isso é apenas o pedido de uma parte, de um dos turnos, que está jantando em um agradável cruzeiro marítimo, que transporta mais de 4.000 passageiros. Pois é, o número de refeições a serem preparadas no jantar do cruzeiro é realmente grande. Então, nos perguntamos: como eles conseguem gerenciar tantos pedidos e tanta complexidade do cardápio sem falar da “entrega” com rapidez e qualidade, pois quando o pedido é feito, mesmo sabendo que há um numero grande de garçons atendendo, a cozinha é uma só.

Certa vez, durante um cruzeiro, fomos convidados a conhecer as instalações da cozinha e fiquei impressionado com o seu tamanho. Foi quando me dei conta de que aquele ambiente é, realmente, uma “fábrica” de refeições, e que o time da cozinha deve caminhar com todo o rigor e disciplina, seguindo os processos estabelecidos. Com certeza foram criados subconjuntos (pré-preparo) dos pratos, que ao serem solicitados, percorrem uma “linha de montagem” (balcão de montagem dos pratos) para que possam receber todas as “peças” (ingredientes preparados) e todas as “operações cadastradas” (montagem final do prato), com os devidos “tempos-padrão”, respeitando a sequência cadastrada e treinada pela equipe de cozinheiros, caracterizando o processo de preparo dos pratos. É assim que também acontece nas empresas organizadas, que produzem de maneira eficiente. Os processos, que são uma sequência de atividades a serem conduzidas pelos profissionais que se propõem a produzir algo ou a contribuir para adicionar valor a esse, são desenvolvidos, implantados e são fundamentais para se obter o resultado esperado de forma previsível e controlável, além de ser passível de melhoria continua para tornar a empresa cada vez mais eficiente.

Os processos são documentos que indicam a sequência lógica e mais produtiva para se conseguir produzir algo, dentro das características e tempo esperados, e ainda, podem contar com a ajuda de ferramentas como VSM e CEP para contribuírem na melhoria continua da produtividade.

O VSM - Value Stream Mapping - é o mapeamento do fluxo de valor das atividades realizadas para se produzir algo. Evidencia a contribuição de todos os elementos envolvidos e proporciona a identificação de fontes de desperdício, criando a oportunidade de se implantar um novo fluxo de atividades, gerando um processo mais eficiente e produtivo. O CEP - Controle Estatístico de Processo - avalia o comportamento das operações realizadas no processo produtivo e monitora o resultado de cada passo desse, indicando possíveis desvios e tendências, permitindo-nos tomar ações para prevenir problemas.

Puxa, levando essas informações em consideração, não tenho dúvidas de que os cozinheiros do navio estavam bem orientados! Com certeza estavam com o processo disponível e sendo seguido para o preparo dos pratos, porque o jantar que tivemos estava delicioso, dentro do que pedimos e sem demora, mesmo tendo a nossa volta outros 500 passageiros também degustando o resultado daquele trabalho organizado da equipe do navio. Esse assunto também é primordial na sua indústria. Você já contempla isso? Para saber mais sobre processos e os meios para otimizá-los cada vez mais, entre em contato com a RISC Práticas em Negócios, onde você pode contar com a experiência de nossos consultores para ajudar sua empresa a aumentar a produtividade e, portanto, sua lucratividade.

Lucio Nubile
Consultor RISC



Voltar